Maio de 2024

Indicadores Industriais do Rio Grande do Sul

Indústria tem queda intensa em maio

Índice de Desempenho Industrial – IDI/RS

-11,8%

Faturamento real

-19,3%

Horas trabalhadas na produção

2,1%

Pessoal ocupado

-0,1%

Massa salarial real

+0,5%

Utilização da capacidade instalada – Grau Médio

76,2%

Utilização da capacidade instalada

-5,2 p.p.

Compras industriais

-30,2%

(Variação frente ao mês anterior com ajuste sazonal)

A calamidade climática que atingiu o estado impactou intensamente a indústria gaúcha em maio. O Índice de Desempenho Industrial (IDI/RS) caiu 11,8% em relação a abril, na segunda maior baixa mensal da série iniciada em 2003, muito próximo do recorde de abril de 2020 (-12,0%). A base alta de abril também contribuiu para explicar a dimensão do resultado negativo em maio, que é compatível com outros grandes choques: março de 2020 (-10,8%, com a pandemia de covid-19), maio de 2018 (-7,3%, com a greve dos caminhoneiros) e novembro de 2008 (-11,5%, com a crise financeira global). Com isso, a atividade industrial em maio de 2024, medida pelo IDI/RS, atingiu o menor patamar desde agosto de 2020.

Como habitualmente acontece, a expressiva contração da atividade industrial do RS entre abril e maio, feitos os ajustes sazonais, refletiu os desempenhos das compras industriais e do faturamento real, que recuaram, respectivamente, 30,2% (-28,5% sem o ajuste), queda recorde, e 19,3% (-15,2% sem o ajuste). As horas trabalhadas na produção caíram 2,1% e a utilização da capacidade instalada (UCI) baixou 5,2 p.p., para 76,2%, enquanto o emprego ficou estável (-0,1%) e a massa salaria real cresceu (+0,5%).

Em relação a 2023, os resultados também foram bastante negativos. A contração do IDI/RS foi de 11,8% na comparação com maio, a maior baixa desde maio de 2020, impactado, na ótica dos componentes, pelas compras industriais (-33,8%) e pelo faturamento real (-16,0%) e, do ponto de vista setorial, por Máquinas e equipamentos (-28,8%), Couros e calçados (-14,0%) e Químicos, derivados petróleo e biocombustíveis (-18,9%).

Com esse resultado, a queda acumulada do IDI/RS em 2024 acelerou de -1,5% até abril para -3,7% até maio, respectivamente, ante os primeiros quatro e cinco meses de 2023. As compras industriais (-10,5%) e o faturamento real (-5,8%) foram os componentes de pior desempenho, seguidos pelas horas trabalhadas na produção (-3,7%) e pelo emprego (-1,6%). Já a massa salarial real (+3,8%) e a UCI (+0,3 p.p.) mantiveram as taxas positivas.

O setor de Máquinas e equipamentos, que caiu 14,5%, forneceu, de longe, o maior impacto negativo para o resultado global entre os nove setores (dos 16 analisados) que registraram menor atividade industrial no acumulado de janeiro a maio de 2024 ante igual período de 2023. Perdas relevantes também ocorreram nas indústrias de Couros e calçados (-4,8%), de Alimentos (-2,3%) e de Equipamentos de informática e produtos eletrônicos (-11,7%). Do outro lado, a principal contribuição positiva partiu de Veículos automotores, que ficou 8,1% maior, seguido, em menor intensidade,  por Móveis (+4,7%), Máquinas, aparelhos e materiais elétricos (+8,6%), Tabaco (+4,4%) e Bebidas (+4,8%).

Índice de Desempenho Industrial do RS

(Dessazonalizado | Índice base: média 2006 = 100)

Fonte: UEE/FIERGS. Nota: Apesar de intensa, a alta de abril somente repôs parte da queda expressiva de março.

Faturamento real: Maior contração desde 2020

  • O faturamento real caiu 19,3% na passagem de abril para maio com ajuste sazonal, a quarta maior queda desde 2003, início da série, pouco abaixo do recorde de abril de 2020 (-23,0%). 
  • As quedas também foram intensas em 2024 relativamente a 2023: -16,0% entre os meses de maio e -5,8% na comparação com os cinco primeiros meses.
  • Destaques setoriais no ano:
    • Positivos: Veículos automotores (+9,4%), Tabaco (+9,5%) e Móveis (+6,3%).
    • Negativos: Máquinas e equipamentos (-27,%), Alimentos (-11,7%) e Equipamentos de informática e eletrônicos (-15,0%).
Faturamento real
Fonte: UEE/FIERGS. Nota: Dessazonalizado – Índice base: Média 2006 = 100.

Horas trabalhadas na produção: Indicador intensificou queda

  • Em maio, o indicador recuou 2,1% na comparação com abril. É a terceira queda consecutiva na série com ajuste sazonal.
  • Em maio de 2024, as horas trabalhadas na produção recuaram 8,5% relativamente a maio de 2023, mostrando queda de 3,7% quando comparados os primeiros cinco meses de cada ano.
  • Destaques setoriais no ano:
    • Positivos: Veículos automotores (+8,0%), Máquinas e materiais elétricos (+19,8%) e Móveis (+5,0%). 
    • Negativos: Couros e calçados (-13,1%), Máquinas e equipamentos (-13,4%) e Produtos de metal (-4,0%).
Horas trabalhadas na produção
Fonte: UEE/FIERGS. Nota: Dessazonalizado – Índice base: Média 2006 = 100.

Pessoal ocupado: Emprego ficou estável

  • O emprego ficou praticamente estável (-0,1%) em maio relativamente a abril, com ajuste sazonal. O emprego não cresce desde abril de 2023.
  • O emprego, em maio de 2024, recuou 1,8% ante maio de 2023, acumulando perda de 1,6% quando comparados os cinco primeiros meses de cada ano.
  • Destaques setoriais no ano:
    • Positivos: Veículos automotores (+9,6%), Móveis (+3,1%) e Bebidas (+4,8%).
    • Negativos: Couros e calçados (-7,9%), Máquinas e equipamentos (-4,6%) e Produtos de metal (-5,0%).
Pessoal ocupado
Fonte: UEE/FIERGS. Nota: Dessazonalizado – Índice base: Média 2006 = 100.

Massa salarial: Salários seguiram em alta    

  • Em maio, a massa de salários da indústria avançou 0,5% na comparação com abril, completando cinco meses seguidos de alta na série com ajuste sazonal.   
  • Comparando os mesmos períodos de 2024 e 2023, a massa salarial real aumentou 5,4% em maio e 3,8% nos primeiros cinco meses.
  • Destaques setoriais no ano:
    • Positivos: Veículos automotores (+13,1%), Químicos, derivados de petróleo e biocombustíveis (+9,7%) e Produtos de metal (+7,1%).
    • Negativos: Couros e calçados (-3,6%), Madeira (-5,2%) e Equipamentos de informática e eletrônicos (-2,3%).
Massa salarial real
Fonte: UEE/FIERGS. Nota: Dessazonalizado – Índice base: Média 2006 = 100.
Utilização da capacidade instalada: Maior baixa e menor patamar desde 2020
  • A indústria utilizou 76,2% da sua capacidade produtiva em maio, um recuo de 5,2 p.p. ante abril, com ajuste sazonal. Apenas em 2020, durante primeiros meses da pandemia, o indicador registrou quedas mais intensas e níveis mais baixos.
  • A UCI caiu 2,8 p.p. em relação a maio de 2023, mas ainda mostrou aumento de 0,3 p.p. quando comparados os graus médios dos primeiros cinco meses de cada ano.  
  • Destaques setoriais no ano:
    • Positivos: Veículos automotores (+7,2 p.p.), Metalurgia (+17,5 p.p.) e Madeira (+9,0 p.p.).
    • Negativos: Alimentos (-3,0 p.p.), Têxteis (-12,1 p.p.) e Máquinas e equipamentos (-1,7 p.p.).
Utilização da capacidade instalada
Fonte: UEE/FIERGS. Nota: Dessazonalizado – % – Grau médio.
Compras industriais: Queda recorde 
  • As compras para industrialização caíram 30,2% em maio na comparação com abril, com ajuste sazonal. Essa foi a maior queda desde o início da série em janeiro de 2003.
  • As compras caíram 33,8% entre os meses de maio de 2023 e 2024, acumulando perdas de 10,5% na comparação entre os períodos de janeiro a maio.
  • Destaques setoriais no ano:
    • Positivos: Veículos automotores (+3,9%), Couro e calçados (+2,1%) e Móveis (+7,5%).
    • Negativos: Máquinas e equipamentos (-26,4%), Alimentos (-16,0%) e Químicos, derivados de petróleo e biocombustíveis (-13,6%).
Compras industriais
Fonte: UEE/FIERGS. Nota: Dessazonalizado – Índice base: média 2006 = 100.

Resultados setoriais – Maio/2024

Faturamento real – Var. %Horas trabalhadas – Var. %
Mesmo mês ano anteriorAc. no anoAc. 12 mesesMesmo mês ano anteriorAc. no anoAc. 12 meses
Alimentos-17,5-11,7-12,6-2,5-1,5-4,2
Bebidas-6,86,34,01,23,84,0
Tabaco63,79,56,6-21,90,30,3
Têxteis9,53,1-11,8-13,4-9,2-10,8
Vestuário e acessórios-35,1-9,8-13,812,53,51,6
Couros e calçados-27,9-6,2-6,5-19,7-13,1-11,3
Couros-28,8-16,3-15,923,623,411,1
Calçados-38,9-7,91,8-50,5-8,4-0,6
Produtos de madeira-0,4-23,5-32,5-1,4-12,9-17,0
Químicos, derivados de petróleo e biocombustíveis-45,4-0,8-2,1-0,21,84,4
Borracha e de material plástico-15,9-10,7-11,2-0,40,4-3,4
Borracha -15,1-15,1-11,9-1,91,4-1,4
Metalurgia-33,1-8,1-17,1-24,9-10,6-9,1
Produtos de metal-11,1-4,0-8,7-15,4-4,0-5,8
Equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos-41,0-15,0-2,7-7,9-2,3-4,6
Máquinas, aparelhos e materiais elétricos-55,5-13,7-22,714,619,816,0
Máquinas e equipamentos-46,9-27,7-21,4-26,7-13,4-11,7
Veículos automotores11,19,4-4,89,78,02,8
Móveis3,96,35,75,65,02,4
Indústria de Transformação-16,0-5,8-8,3-8,5-3,7-5,0
Fonte: UEE/FIERGS.
Pessoal ocupado – Var. %Massa salarial – Var. %
Mesmo mês ano anteriorAc. no anoAc. 12 mesesMesmo mês ano anteriorAc. no anoAc. 12 meses
Alimentos-1,1-1,2-2,04,7-0,1-0,3
Bebidas4,54,83,17,88,46,7
Tabaco-10,31,90,947,016,08,6
Têxteis-7,4-7,9-10,3-3,5-3,0-8,6
Vestuário e acessórios-5,3-5,7-3,3-1,4-0,21,2
Couros e calçados-7,3-7,9-6,6-5,7-3,6-3,2
Couros2,97,42,98,315,57,6
Calçados-2,7-0,77,313,413,214,9
Produtos de madeira4,1-2,1-2,3-10,6-5,25,5
Químicos, derivados de petróleo e biocombustíveis-0,20,52,28,79,76,4
Borracha e de material plástico-0,70,80,55,57,24,3
Borracha -3,5-1,9-0,6-0,31,11,5
Metalurgia-4,0-3,8-11,225,82,04,7
Produtos de metal-3,8-5,0-6,59,17,12,7
Equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos-1,3-0,4-0,72,2-2,3-5,0
Máquinas, aparelhos e materiais elétricos5,84,33,94,38,610,8
Máquinas e equipamentos-8,0-4,6-3,0-1,30,8-3,9
Veículos automotores11,99,65,711,713,17,0
Móveis2,33,13,67,55,96,8
Indústria de Transformação-1,8-1,6-2,05,43,81,6
Fonte: UEE/FIERGS.
UCI – Grau médio %UCI – Variação p.p.
No mêsMesmo mês ano anteriorMédia anoMesmo mês Ac. no anoAc. 12 meses
Alimentos85,688,485,0-2,8-3,0-1,1
Bebidas58,154,257,23,95,7-1,3
Tabaco
Têxteis29,475,965,1-46,4-12,1-14,1
Vestuário e acessórios24,843,840,4-19,0-2,1-23,8
Couros e calçados88,591,791,3-3,20,2-0,9
Couros50,875,669,2-24,8-4,3-6,8
Calçados47,067,060,2-20,0-10,8-7,5
Produtos de madeira58,953,873,55,19,0-4,0
Químicos, derivados de petróleo e biocombustíveis51,580,772,7-29,2-2,5-3,6
Borracha e de material plástico71,278,472,5-7,2-1,8-1,7
Borracha 76,083,874,3-7,8-4,2-5,9
Metalurgia49,144,558,34,617,57,5
Produtos de metal79,079,078,10,0-0,3-1,2
Equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos96,493,494,33,02,80,8
Máquinas, aparelhos e materiais elétricos78,580,877,7-2,30,8-0,2
Máquinas e equipamentos76,477,575,6-1,1-1,7-2,6
Veículos automotores73,664,072,69,67,2-3,3
Móveis80,876,576,24,30,62,2
Indústria de Transformação76,479,279,0-2,80,3-2,2
Fonte: UEE/FIERGS.
Compras industriais reais – Var. %IDI – Var. %
Mesmo mês ano anteriorAc. no anoAc. 12 nesesMesmo mês anteriorAc. no anoAc. 12 meses
Alimentos-24,6-16,0-19,7-2,0-2,3-3,8
Bebidas35,4-6,9-11,74,44,83,3
Tabaco-88,1-0,2-0,1-25,14,43,5
Têxteis-5,46,1-11,8-26,0-8,2-13,5
Vestuário e acessórios-67,8-39,7-35,9-29,3-13,5-17,4
Couros e calçados-14,12,1-2,3-14,0-4,8-5,3
Couros-21,4-9,1-18,7-6,31,3-5,2
Calçados27,3-0,7-7,8-9,70,43,9
Produtos de madeira-4,2-4,5-13,9-0,2-8,1-15,7
Químicos, derivados de petróleo e biocombustíveis-58,6-13,6-15,5-18,90,7-0,6
Borracha e de material plástico-21,9-9,1-21,1-9,2-4,1-7,1
Borracha -23,1-14,9-26,7-9,5-6,9-7,7
Metalurgia-27,55,0-15,0-16,15,1-7,0
Produtos de metal-15,3-3,8-14,7-6,0-1,5-5,6
Equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos-5,6-16,3-23,3-17,6-11,7-10,3
Máquinas, aparelhos e materiais elétricos-5,20,1-11,14,08,66,9
Máquinas e equipamentos-52,7-26,4-21,6-28,8-14,5-12,7
Veículos automotores17,83,9-12,512,98,1-3,4
Móveis6,97,53,35,24,74,5
Indústria de Transformação-33,8-10,5-15,6-11,8-3,7-6,2
Fonte: UEE/FIERGS.

Indicadores Industriais | Publicação mensal cujo objetivo é medir o nível da atividade da indústria de transformação. Faturamento, Horas trabalhadas na produção, Utilização da capacidade instalada, Compras totais, Emprego e Massa salarial foram escolhidas pela grande confiabilidade das informações obtidas das indústrias informantes e pela grande importância e influência que têm no nível de atividade do RS. O Índice de Desempenho Industrial (IDI/RS) é calculado a partir dessas variáveis que são coletadas mensalmente de uma amostra das indústrias gaúchas. A  preocupação básica está associada à geração de taxas de crescimento para o conjunto das variáveis, que permitem a construção de séries de base fixa (não é objetivo estimar valores absolutos). Os Indicadores Industriais são produzidos pela FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO RS e integram o sistema coordenado pela CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA (CNI). 

Unidade de Estudos Econômicos

Contatos: (51) 3347-8731 | economia@fiergs.org.br

Observatório da Indústria do Rio Grande do Sul | https://observatoriodaindustriars.org.br/

Conteúdo relacionado

Nenhum inteligência encontrada para esta área selecionada.